Boletim Letras 360º #208

Juan Rulfo. 2017 é o ano de centenário do escritor mexicano. O universo da literatura em língua espanhola conspira celebrações diversas em torno de sua obra.


Nesta semana, as notícias que publicamos em nossa página no Facebook foram as que seguem.

Segunda-feira, 27/02

>>> Argentina: Mais de 17 mil livros da biblioteca pessoal de Adolfo Bioy Casares integram agora a Biblioteca Nacional argentina

O material, segundo especialistas, tem um valor cultural e histórico inestimável, já que o acervo (atualmente guardado em caixas, num depósito) pertencia também, de certa forma, a Borges, uma das pessoas que mais frequentava o pequeno palacete do bairro da Recoleta onde moravam Bioy Casares e Silvina. O patrimônio soma algo em torno de 400 mil dólares — adquiridos com patrocínios. Uma preciosidade do acervo é a edição de A invenção de Morel, de Adolfo Bioy Casares, com correções do próprio escritor. As 330 caixas de livros incluem primeiras edições de obras dos escritores, panfletos (como do movimento surrealista na Argentina) e revistas, entre outros materiais. Todas essas obras permitirão, segundo especialistas, reconstruir a vida de um dos casais mais importantes da história cultural argentina e trazer novas luzes sobre o trabalho criativo ao lago de Borges, sobretudo, quando editor.

Terça-feira, 28/02

>>> Inglaterra: Romances de Patrick Melrose, de Edward St. Aubyn, vai virar série para a TV

Quem irá viver o protagonista é o ator Benedict Cumberbatch, quem também produzirá a série que vai ao ar no canal Showtime. Romances de Patrick Melrose reúne os três primeiros livros da série de Edward St. Aubyn, uma trama que alterna cenas de profunda angústia e tragédia com momentos hilários, dissecando a classe alta inglesa ao narrar a história de Patrick, dos abusos na infância ao vício e, por fim, à reabilitação. As filmagens começam em agosto. O Letras comentou sobre a obra de St. Aubyn aqui. O segundo volume da obra deverá sair pela Companhia das Letras em abril.

>>> Brasil: As livrarias recebem este mês um texto que revela uma faceta pouco conhecida da obra de Gertrude Stein

A infanto-juvenil. Para fazer: um livro de alfabetos e aniversários, com tradução de Dirce Waltrick do Amarante e Luci Collin, ganhará edição pela Editora Iluminuras. No livro, a autora cria pequenas histórias para cada letra do alfabeto, sempre na forma da linguagem repetitiva e rítmica que caracteriza seus livros.

Quarta-feira, 01/03

>>> Rússia: Um serviço online e gratuito que envia poemas de Aleksander Púchkin, o poeta mais reverenciado na Rússia

O Nezarastet é um site sobre literatura e seu nome foi inspirado em uma das obras do poeta; sua equipe preparou 365 newsletters com poemas de Púchkin que são enviadas. O interessado deve se inscrever gratuitamente no site. Para breve, o Nezarastet planeja lançar em breve boletins eletrônicos com excertos da Divina Comédia, de Dante Alighieri, poemas de François Villon, e outros clássicos. A única limitação aos leitores não hábeis com a língua russa é que o trabalho do Nezarastet é em russo.



>>> Eslováquia: Você pode estar diante do mais antigo emoticon do mundo. É que o afirmam especialistas do Arquivo Nacional de Trencin, na Eslováquia

A imagem foi encontrada num documento jurídico de 1635 redigido por um advogado chamado Jan Ladislaides, então contador de seu município. Trata-se de um desenho que acompanha sua assinatura e, logo, designa sinal de aprovação / reconhecimento em formato do que hoje conhecemos como “smiley”. A informação foi divulgada pelo jornal inglês “Daily Mail”. Peter Brindza, o autor da descoberta, evita citar que esta imagem se refira ao mais antigo “smiley” do mundo – “é sim um dos primeiros da região de Trencin”, acrescenta. Até agora, o emoji mais antigo datava do ano de 1648 e está no poema “À fortuna”, do escritor inglês Robert Herrick, cf. divulgamos certa vez neste espaço. Apesar de se apresentar como uma carinha sorridente, é certo que a imagem também poderia ser parte da assinatura do advogado, mas Brindza observa que o documento contém outras assinaturas de Jan e apenas nessa apresenta-se o sinal de aprovação.

Quinta-feira, 02/03

>>> Brasil: O Prêmio Oceanos de Literatura em Língua Portuguesa vai pela primeira vez ser aberto a todos os livros publicados em língua portuguesa, quer no Brasil quer em Portugal

Até agora o ex-prêmio Portugal Telecom de Literatura, que há três anos mudou de nome e passou a ter como parceiro o Itaú Cultural, contemplava só obras de autores dos países da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) que estivessem editadas no Brasil. A novidade foi apresentada na conferência de imprensa que decorreu esta quinta-feira em São Paulo, no Brasil, e foi transmitida em Streaming. O prêmio incide sobre livros de poesia, prosa de ficção, dramaturgia e crônica escritos originalmente em língua portuguesa. Outra das novidades para a edição de 2017 é que além dos curadores brasileiros Selma Caetano e Manuel da Costa Pinto o prêmio passará a ter na curadoria a portuguesa Ana Sousa Dias. O valor total do prêmio é de 230 mil reais. Cem mil reais vão para o primeiro lugar, 60 mil reais para o segundo, 40 mil para o terceiro e 30 mil para o quarto premiado. Os quatro vencedores do ano passado foram Galveias, de José Luís Peixoto, que conquistou o primeiro lugar seguido de A resistência”, do brasileiro paulista Julián Fuks, O livro das semelhanças”, da poeta mineira Ana Martins Marques, e o livro de contos “Maracanazo e outras histórias”, do carioca Arthur Dapieve.

>>> Estados Unidos: Todo o espólio de Lou Reed é agora de responsabilidade da Biblioteca Pública de Nova York

O arquivo inclui fotografias, algo em torno de 3,6 mil gravações de áudio e 1,3 mil de vídeos, além de rascunhos, correspondência pessoal, cartazes, presentes de fãs, letras de canções inéditas. O material é uma possibilidade de oferecer uma vista completa do multiartista: a do músico, compositor, poeta, escritor e fotógrafo. Um dos destaques, p.ex., são os materiais de gênese de sua vida criativa marcada em 1958 quando fazia parte de uma das bandas de Freeport High School, sua passagem por The Shades, seu trabalho como letrista para Pickwick Records e sua carreira no The Velvet Underground. Nas próximas semanas a Biblioteca organizará exposições gratuitas com este material e atos especiais de sua obra “O corvo”, inspirada no famoso poema de Edgar Allan Poe. Depois do reconhecimento de Bob Dylan com o Prêmio Nobel de Literatura multiplicaram os interesses em torno de obras como a de Reed: exposições em grandes museus dedicadas a Björk, David Bowie, The Who, The Velvet Underground ou Rolling Stones, e adquisição dos arquivos do próprio Dylan pela Universidade de Tulsa e os de Bruce Springsteen pela Universidade de Monmouth são alguns exemplos

Sexta-feira, 03/03

>>> México: 2017 é o ano do centenário de Juan Rulfo e algumas comemorações estão a caminho dentro e fora do universo de língua espanhola

Em México, seu país natal, e em Espanha as celebrações marcam o interesse de revelar os diversos criadores de Rulfo: o contista, romancista, fotógrafo e editor. A editorial RM, responsável pela obra do mexicano trará a lume 11 títulos que abarcam tais facetas mexicano: são edições de Pedro Páramo, Chão em chamas e O galo de ouro em formatos de luxo e de bolso, aquelas com materiais exclusivos de arquivo, como uma carta que Rulfo escreveu à sua então noiva, Clara Aparicio; a reedição da biografia de Alberto Vital, Notícias sobre Juan Rulfo; um dicionário sobre sua e suas personagens; dois livros sobre a relação de sua obra com o cinema; um que compila fotografias suas; e a edição de Ladridos, astros, agonías, Rilke y Broch en el lector Rulfo, de Víctor Jiménez, com texto inédito de Rulfo sobre sua experiência de leitor. Somam-se uma exposição do Museu Amparo de Puebla no México que mostrará 200 fotos de Rulfo, algumas inéditas, e a realização de vários eventos acadêmicos em torno da obra do escritor. No Brasil, cf. noticiamos por aqui, estão previstas reedições da sua obra.

>>> Estados Unidos: Morreu Paula Fox

A escritora nasceu em Nova York em 1923 e trabalhou nas atividades mais diversas até começar a escrever, aos 43 anos. Publicou seis livros para adultos e mais de uma dezena de aclamados livros infantis que lhe valeram prêmios como o Christian Andersen. Tinha 93 anos. No Brasil, Paula Fox teve três obras lançadas pela Companhia das Letras - Desesperados, A costa oeste e Os filhos da viúva - e pelo Grupo Editorial Record, Pobre George.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

Como enfrentar Ulysses

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20