Yves Bonnefoy

Por Álex Vicente



Yves Bonnefoy terminou baixando a cabeça para essa “morte que diz não a toda metáfora”, como escreveu num de seus versos mais enigmáticos. O grande poeta francês, além de ensaísta e crítico de arte, professor universitário, tradutor de William Shakespeare e eterno candidato ao Prêmio Nobel de Literatura, morreu em Paris aos 93 anos no dia 1º de julho de 2016. Ficou para trás uma vida dedicada à linguagem poética que considerava um instrumento com o qual buscava iluminar a penumbra. Para Bonnefoy, a poesia era uma forma de “libertar as relações entre os homens dos prejuízos, ideologias e ilusões que os empobrecem”.

Autor de um conjunto de obras traduzidas para trinta línguas, Bonnefoy propôs uma poesia ligada à realidade, que desconfiava de abstrações, conceitualismos e dogmas que havia visto fracassar. Temia pela desaparição de uma arte que considerava inerente à experiência de existir e acreditava que, se acontecesse, a própria sociedade sucumbiria. Temia pelo fim da poesia porque ele era sinônimo do fim do mundo. “A poesia faz com que passemos do espírito da possessão, impulsionador de equívocos e da guerra, ao desejo de participação simples e direta no mundo”, explicava. Bonnefoy se debatia entre o materialismo mais prosaico e “a preocupação inata pela transcendência”. Não tinha rejeição pelo lirismo, embora nunca por mero exibicionismo, e perseguiu um alumbramento metafísico a partir do meio natural, onipresente em seus versos. “Amo a terra, o que vejo me emociona”.

Bonnefoy nasceu em Tours em 1923 no interior de uma família modesta formada por um pai operário no setor ferroviário e uma professora de ensino básico. Depois de iniciar seus estudos em Poitiers, mudou-se para Paris em 1943 para se inscrever na Sorbonne. Instalou-se num pequeno apartamento da rive gauche e passou noites inteiras lendo Paul Éluard, Tristan Tzara, Antonin Artaud. Não tardou em aproximar-se do círculo de André Breton e os surrealistas tardios, onde se encontrava o belga Christian Dotremont, célebre por seus hologramas e mais tarde fundou o grupo Cobra. Bonnefoy compartilhava com os surrealistas seu apego “por intensificar a consciência e a palavra” a partir da linguagem poética. Mas sua poesia se inspirava no mundo sensível e diferia da inclinação surrealista pelo sonho, porta de acesso a dimensões paralelas. Por esse motivo, rompeu com o movimento em 1947, embora nunca negou a profunda influência que teve em sua obra.



Meia década mais tarde, Bonnefoy tinha finalizado sua primeira antologia, Do movimento e imobilidade de Douve (1953), a que se seguiram Pedra escrita (1965) e O território interior (1971), mescla de texto autobiográfico e ensaio sobre o Quattrocento italiano. “Frequentemente um sentimento de inquietude me invade ante as encruzilhadas. Parece-me que nesses momentos, que nesse lugar ou quase: aí, a dois passos sobre o caminho que não tomei ... se abre um país de uma essência mais elevada, onde poderia viver e que agora já perdi” – escreveu nesse livro.
Não por acaso, Bonnefoy encontrava na dúvida de Hamlet o fundamento da modernidade. E sentia ressoar em sua cabeça a máxima de seu admirado Rimbaud sobre a insatisfação crônica de tantos mortais: “A vida está noutra parte”.

Outras de suas obras de destaque são Contos em sonhos (1977), Início e fim da neve (1991), A chuva de verão (1999) e As tábuas curvas (2001). Em sua trajetória poética, sobressaem duas certezas existenciais: a morte e a imperfeição. “Amar a perfeição porque essa é o limiar, / E negá-la tão logo se conhece, esquecer a sua morte, / A imperfeição é a maior”, deixou escrito num de seus poemas de 1958.

No seu pequeno escritório, situado em Montmartre, Bonnefoy também trabalhou em seus ensaios sobre a história da arte. Escreveu sobre a arte gótica e barroca, além de assinar obras sobre Goya, Picasso, Mondrian, Giacometti, Balthus e Miró. Outra de suas atividades principais foi a tradução, que equiparava a poesia por basear-se numa transformação da linguagem. Traduziu para o francês uma diversidade de obras de Shakespeare e se aprofundou em aspectos ignorados na leitura do seu teatro, como a representação da mulher a partir das personagens femininas. Fez o mesmo com Keats, Yeats, Petrarca e Leopardi.




Apesar de o Nobel não lhe chegar às mãos, Bonnefoy recebeu outra diversidade de prêmios tão prestigiosos quanto, como o Grande Prêmio de Poesia da Academia Francesa em 1981 ou Goncourt de Poesia em 1987; também obteve o Prêmio da Feira de Guadalajara em 2013. “Os poemas têm significado. Quando se lê um é preciso perguntar à própria experiência, à memória. E a partir daí buscar a interpretação”, disse no seu discurso. Desde 1981, Bonnefoy era professor no Collège de France e ministrou aulas em numerosas universidades da Europa e dos Estados Unidos. Esteve casado com a atriz e escultora estadunidense Lucy Vines, com quem teve uma filha, Mathilde.

**

Abaixo, um catálogo com o discurso de Yves Bonnefoy por ocasião da recepção do Prêmio FIL de Literatura e de três poemas do poeta. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236