Postagens

Mostrando postagens de Junho 3, 2015

Eduardo Galeano como leitura de aeroporto

Imagem
Por Alfredo Monte


«Para muitos jornalistas estrangeiros, a Bolívia é um país ingovernável, incompreensível, intratável, inviável. São os que se enganaram de in: deveriam confessar que a Bolívia, para eles, é um país invisível...» (26 de janeiro)
«...os militantes que matam para castigar a divergência são tão criminosos quanto os militares que matam para perpetuar a injustiça...» (10 de maio)
Os filhos dos dias foi um dos últimos livros de Eduardo Galeano (1940-2015), belo experimento da imaginação do prosador uruguaio ao explorar a forma adotada pelo calendário (e que nos aprisiona em sua teia), legada pelos romanos e aperfeiçoada pela cristandade: «A data foi inventada por Roma, a Roma imperial, e abençoada pela Roma vaticana...»1. Na verdade, ao abordar a “data universal” (no sentido de confraternização dos povos), primeiro de janeiro, ele a ironiza como invenção de uma civilização vencedora e que escreveu, até certo ponto, a História Oficial, prática ainda adotada (em contrapartida,…