Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2013

Cada homem é uma raça, de Mia Couto

Imagem
Por Pedro Fernandes



Enfim, tantos anos depois que o escritor moçambicano circula pelo Brasil, não só fisicamente, mas pela sua obra, já há muito editada pela Companhia das Letras, é preenchia uma lacuna na sua produção literária por aqui. É que, mesmo não sendo um leitor assíduo da obra de Mia Couto e mesmo fazendo ressalvas para alguns de seus trabalhos, sobretudo o romance último publicado por aqui, A confissão da leoa,tenho acompanhado de perto o crescimento da rede de leitores ou simplesmente admiradores de seu trabalho. É um feito raro para um escritor africano. Há muitos que circulam por aqui e que têm uma expressão literária além da do autor de Terra sonâmbula, mas que não têm a mesma aceitabilidade. Falo isso pensando em nomes como Pepetela e José Craveirinha, dois que trago na minha lista de leituras.
Mia Couto, entretanto, terá escolhido uma linha tênue entre a forma estética e a capacidade de se aproximar de questões um tanto mais corriqueiras do dia-a-dia comum. Noutras p…

Os mistérios de J. D. Salinger por um triz

Imagem
Os que nos acompanham terão lido que está bem próximo o lançamento de um documentário cujo pretexto anunciado é de que, enfim, sejam apresentadas algumas peças do complexo quebra-cabeça que se tornado a misteriosa vida do autor de O apanhador no campo de centeio, um dos livros mais icônicos e controvertidos da literatura estadunidense do século XX.
Por que J. D. Salinger viveu durante décadas no silêncio mais absoluto e não deu entrevistas e nem declarações de nenhum gênero? Seguiu escrevendo? De que maneira lhe afetou a II Guerra Mundia? E o fato de que seu romance fora uma obsessão para o assassino de John Lennon ou para John Hinckey Jr. que tentou acabar com a vida do presidente Ronald Reagan em 1981? A biografia The private war of J. D. Salinger (A guerra privada de J. D. Salinger, tradução literal e livro inédito no Brasil) dá respostas a todas essas perguntas. O livro é publicado em Nova York pela mesma ocasião da apresentação do filme de Shane Salerno.
Esta é de fato a primei…

A passagem de Allen Ginsberg pela Índia

Imagem
Allen Ginsberg passou oito meses num hospital psiquiátrico porque teve uma visão de William Blake que durou uma semana. Quando ingressou ali levava debaixo do braço um exemplar de Bhagavad Gita, o livro mais importante do hinduísmo. Treze anos mais tarde, William Blake, definitivamente convertido em seu guru, embora já não em forma de alucinação, mas de cartaz, o acompanharia numa viagem de um ano pela Índia que seria compartilhada com sua parceria sentimental de durante três décadas, Peter Orlovski, e, parte dele, com o matrimônio formado pelos poetas Gary Snyder e Joanne Kyger, que então residiam no Japão. Estamos falando de 1961 e 1962, uma época em que a contracultura estava buscando referentes intelectuais e espaços mentais e geográficos para assentar-se. Ginsberg, que pouco antes havia deixado atônitos os melhores cérebros de sua geração com seu poema O uivo, e depois de provar o denso ar de covil que era o Tanger daquele momento, com Willian Burroughs e Paul Bowles como sumo s…

Boletim Letras 360º #23

Imagem
A vida é um grande rosário de promessas. Não, não estamos empapados com a visita do papa do Brasil – que este espaço é sério, não é de brincar com a razão alheia. É apenas que cumprimos duas promessas esta semana e deve ter restado ainda uma lista quase sem fim para de por cumprir-se. Chegaremos lá qualquer dia desses, se não ficarmos pelo caminho ou se a vida não for mesquinha conosco. Uma das promessas cumpridas foi disponibilizar para os nossos leitores nossa nova promoção – oh, já estava na hora! Estão no páreo as duas recentes edições de José Saramago incorporadas ao catálogo da editora do escritor no Brasil. E a outra novidade, bem, a outra, vocês ficarão sabedores no correr do boletim em nossa página do Facebook.
Segunda-feira, 22/07
>>> Brasil: Textos de Machado de Assis, João do Rio e outros podem ser lidos em celulares e tablets
A editora carioca Mórula lançou uma coleção voltada para quem gosta de ler em todo lugar. A partir desta semana, a coleção "Para Ler …

Crônica de um leitor de O jogo da amarelinha (3)

Imagem
por Juan Cruz Ruíz


Há gente que pergunta a idade dos livros e decide, em função dos anos, o que acontece com eles, ou o que deve acontecer, até quando durou ou até quando devem durar. Quando decidem que os livros estão envelhecidos porque tem anos suficientes cometem o mesmo erro de que quando  não os escolhem porque são demasiado jovens. Os livros não têm idade ou têm a que os próprios leitores lhe dão. Ou tem a idade que alguém lhes dê, ou têm todas as idades. Com O jogo da amarelinha aconteceu desde há algum tempo que alguns lhe tomam a temperatura ou que outros lhe tomam o pulso ou ainda que outros decretem sua morte. É um livro que foi para adolescentes ou para jovens, dizem. Então, não é velho? É velho mas foi jovem para aqueles jovens. Ah, os jovens de agora não podiam ter gostos semelhantes a aqueles de em torno de 1965 que o leram como se estivessem bebendo o elixir do contrarromance?
Esta reticência que mantenho ante aos que decretam com respeito a esta obra maior de Cortáza…

Uma dama em Paris, de Imar Raag

Imagem
Parte da crítica terá se esforçado para uma recepção ao menos fria sobre esse último trabalho de Ilmar Raag. Mas, peço licença para ir em direção contrária e ensaiar outro esforço, o de uma recepção calorosa ao filme. Uma dama em Paris é o terceiro longa do diretor que já dirigiu e escreveu para a televisão August 1991, sobre a tentativa de repressão da independência estoniana pelos russos e Klass, sobre um estudante em defesa de seu colega vítima de bullying numa sala de aula. E nesse contexto, o filme é o mais diferenciado já produzido por ele. Produzido numa parceria larga, aliás, entre Estônia, seu país de origem, Paris e Bélgica. Em cena a grande atriz do cinema francês, Jeanne Moreau, no alto de seus 85 anos e que, diga-se, é também a responsável pela inteireza do filme de uma ponta a outra.
Jeanne é quem interpreta Frida, uma idosa que teve grande vida artística, mas o gênio forte terá reduzido ela a uma presença sozinha numa casa em Paris. Frida não é francesa, é estoniana, e…

Paulo Leminski

Imagem
Não foram poucas as vezes que vimos lendo novidades em torno de Paulo Leminski, desde quando em meados de 2013, se anunciou a publicação de Toda poesia (comentamos aqui), livro que já se tornou Best-Seller entre os brasileiros, e que tem despertado o interesse pelo elogio crítico e pelo comentário de discordância do fenômeno alçando o poeta à classe de tipos como Paulo Coelho. Isso pode ser motivo para outra entrada mais adiante nesse blog. Por enquanto, tratemos é de deixar registrado (e cumprir assim outra promessa já há muito feita por aqui) sobre os traços biográficos e bibliográficos do poeta curitibano.
Quando foi publicada em 2001, O bandido que sabia latim, de Toninho Vaz, a primeira incursão em torno da vida de Paulo Leminski (obra que está na lista das reedições até o fim deste ano), o poeta já era um mito entre as novas gerações em Curitiba. Onze anos depois, e o sucesso de Toda poesia explica, esse mito se expandiu e tornou-se influência em todos os cenários da literatura…

A pintura em Proust

Imagem
Por esses dias enquanto esboçávamos um curto perfil do romancista francês Marcel Proust tocamos num interesse externado por ele ao longo dos sete volume de Em busca do tempo perdido, cujo primeiro livro No caminho de Swann cumpre seu primeiro centenário em 2013. Citamos um trabalho primoroso de Eric Karpeles, um dos primeiros que atentaram para essa aproximação ou gosto proustiano e quem preparou um livro/catálogo com mais de 300 páginas de reprodução das telas à Proust.
Karpeles conta que levou três anos para ler integralmente Em busca do tempo perdido. E só conseguiu a empreitada, primeiro da leitura, depois da pesquisa, porque já depois das primeiras centenas de páginas estava hipnotizado pelo conjunto literário proustiano. Notou também a impossibilidade de se afastar desse mundo e da sua relação com as artes plásticas. Antes de leitor do escritor francês, Karpeles é artista plástico e tem, portanto, uma vivência com o visual bastante intensa.

O trabalho de catalogação das imagens…

Coração do Dia, Mar de Setembro, de Eugénio de Andrade

Imagem
Por Pedro Belo Clara


Nesta recente iniciativa, datada de Fevereiro deste ano, levada a cabo por uma das mais conceituadas editoras portuguesas de poesia, Assírio & Alvim, reúnem-se dois dos trabalhos mais representativos da inicial fase poética de Eugénio de Andrade, pseudónimo literário de José Fontinhas. A bem da verdade, admita-se, apesar destas duas obras se inserirem numa primordial abordagem do autor ao mundo poético que criará, notam-se, em ambas, e de forma perfeitamente translúcida, as principais marcas deste admiravelmente talentoso poeta – um lírico confesso, dotado de uma sensibilidade extrema. Serão, assim, as indistintas linhas que fariam de Eugénio de Andrade aquilo que foi (e é) a entrarem em contacto com a realidade de todo o leitor que por elas se interesse.
O primeiro dos trabalhos, denominado Coração do Dia – epígrafe furtada ao título de um dos poemas que o compõem –, foi publicado em 1958 e pauta-se por uma só linha, bastante visível e distinta ao longo do me…

Ler para desassossegar

Imagem
Sortearemos dois amigos do Letras que poderá levar para casa um dos livros que fecham a obra de José Saramago editada no Brasil pela sua casa editorial (imagem); o sorteio é válido apenas para amigos residentes no Brasil. O sorteio será realizado na sexta-feira, 23/08, às 19h por meio do aplicativo sortei.me. O ganhador deve entrar em contato com a fan page do Letras para acertar os trâmites de envio do brindes. Veja os passos a seguir, os que descumprirem o regulamento estão desclassificados.
1. Curtir a página do Letras no Facebook; 2. Curtir o banner que está no topo da página do Facebook; 2. Indicar 3 amigos para participar da promoção e comentar o banner dizendo qual dos livros quer ganhar; 3.  Acessar a aba “Promoções” e clicar em “Quero participar”.

Boletim Letras 360º #22

Imagem
Estamos nos organizando para, a partir de segunda-feira, disponibilizarmos mais uma promoção. Ela tem a ver com essa novidade literária que se vê na imagem de abertura deste boletim. Exatamente será uma promoção que tem a ver com um desses dois livros de José Saramago que chega enfim à sua coleção na Companhia das Letras (veja mais detalhes sobre esses livros no decorrer da postagem). Agora, enquanto, a semana não vem, vamos ver o que foi notícia em nossa página no Facebook. Já é de praxe, todos os sábados, postamos aqui o que se passou por lá a fim de permitir que o leitor que acompanha o blog não perca um só instante de nosso trabalho.
Segunda-feira, 15/07
>>> Brasil: Novidades em torno de Julio Cortázar
Já estamos sabedores dos 50 anos de O jogo da amarelinha – comentado várias vezes aqui no blog – pois anotem mais duas novidades em torno do romancista argentino: a Civilização Brasileira vai colocar no mercado uma edição comemorativa do romance de 1963, além de outros tít…