segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Novidades em torno de James Joyce


Dois inéditos de James Joyce

Aos leitores brasileiros de James Joyce, além de reedições e até de uma nova tradução para a sua obra-prima, Ulisses, o ano vigoroso de 2012 para o escritor irlandês, fecha-se com duas novidades: uma, um conjunto de correspondências entre o escritor e sua mulher, Nora, sob organização e tradução de Sérgio Medeiros e Dirce Waltrick do Amarante (já este ano, esses organizadores estiveram à frente da edição de De santos e sábios, outro de James Joyce inédito por aqui); outra, “Epifanias”, uma reunião de 40 textos curtos organizados por Piero Eyben. Toda essa efervescência em torno do escritor, dá-se ainda porque foi, neste ano, que parte de sua obra entrou em domínio público e as editoras ficaram mais ‘soltinhas’ em editá-lo. Até a Biblioteca Nacional da Irlanda andou disponibilizando para consulta virtual parte de seus manuscritos, como falamos por aqui.



Sobre o volume Cartas a Nora, até apresentamos, há cerca de um mês, na fan page do Letras, um vídeo editado pela Revista BRAVO! em que o ator Caco Ciocler lê uma das cartas presentes na edição. No dia 16 de junho, data em que se passam as ações de Ulisses e que foi eleita para as celebrações mundiais do Bloomsday, foi também a data em que Joyce conheceu Nora Barnacle, em 1904. Desde então se iniciou entre os dois uma extensa correspondência, algumas com detalhes eróticos (como é patente no vídeo). As correspondências cobrem pelo menos três períodos da vida do escritor: os anos de 1904 em Dublin, 1909 quando esteve exilado entre Pola, Roma e Trieste, e 1912. O livro que é editado pela Iluminuras, que também publica Epifanias, dispõe de um apêndice com algumas cartas de Nora em resposta às de Joyce. Para os organizadores do material, além da exposição da intimidade do casal, as cartas também ajudam a esclarecer alguns trabalhos de Joyce, como suas expectativas na relação entre a obra e os leitores.

As correspondências já haviam sido publicadas por Richard Ellman desde 1975 e teria chocado leitores como Samuel Beckett, a ponto de o dramaturgo prevenir à sua própria mulher sobre o ‘cuidado’ que ela deveria ter com as correspondências trocadas entre eles.

Epifanias, revela ao leitor brasileiro as múltiplas faces de Joyce na narrativa. Nos curtos textos aí reunidos, tem lugar, segundo Mariana Ianelli para o jornal O Globo uma “atmosfera de intimidade e de segredo em que o leitor se vê envolvido” frutos de “uma autêntica força literária, sensível aos olhos e aos ouvidos, que captura um momento de êxtase numa experiência estética, uma revelação no registro de um discurso de alta carga poética. São epifanias no plano da linguagem.” – conclui.

Mais novidades para 2013

Em outubro deste ano, em Frankfurt foi anunciado a edição de um mais inédito de Joyce. A pequena editora irlandesa que publicou em janeiro deste ano outro inédito do autor, o infantil Os gatos de Copenhague (falamos sobre aqui)também disse ter um livro que esclarecerá o romance Finnegans wake, eleito este ano, como um dos livros mais difíceis da leitura. Trata-se de Finn’s Hotel, uma obra desconhecida até mesmo entre os estudiosos da bibliografia do escritor.

Os planos é de que a obra que já tem gerado polêmica entre os críticos de James Joyce seja apresentada publicamente em janeiro do próximo ano. Segundo a Folha de São Paulo que teria obtido informações mais detalhadas e até acesso à ideia, a obra na edição da Ithys Press deverá ter pouco mais de 100 páginas e é composta por 11 fábulas que giram em torno de episódios históricos da Irlanda.

fachada lateral do hotel Finn's, onde James Joyce conheceu Nora Barnacle em 1904.

O título da obra seria uma menção ao hotel Finn’s, estabelecimento de Dublin onde Nora Barnacle trabalhava como camareira quando Joyce a conheceu. Finn’s Hotel faria uma cobertura de pouco mais de 1 500 anos da história do país natal de Joyce e teriam sido escritas, segundo Danis Rose, o responsável pela edição, entre a primavera e o inverno de 1923.

É aguardar.