Postagens

Mostrando postagens de Julho 24, 2012

Revista Trevo ou a sorte de termos mais um espaço on-line sobre Literatura (II)

Imagem
Com este anúncio, o Letras postou por aqui em maio passado a notícia de que um grupo paulista formado pelos jornalistas Thiago Kaczuroski e André Toso, e do designer Lex Designo estavam dando modelagem a um periódico eletrônico então batizado por Trevo. Ainda não temos caso da sua periodicidade, uma vez que não foi divulgado nenhuma informação sobre por parte dos organizadores.
Apenas que a edição inaugural está publicada. Juntam-se aos organizadores a ilustradora Mariana Lucio convidada para compor as ilustrações para a edição em questão. Ao todo foram publicados 12 trabalhos: Ludmila Rodrigues, João Gabriel Oliveira, Júlio Meloni, Ana Roman, Vanessa C. Rodrigues, Maurício Kehrwald, Marcos Visnardi, Alvaro Posselt, Felipe Fernandez, Lucas Reis Gonçalves, Pedro Fernandes e Pollyana Aguiar. 
A edição está caprichada e o trabalho do grupo está enriquecedor e merece ser acompanhado. O material editado atende a vários suportes e pode ser lido tanto on-line, como noutros suportes eletrônico…

Para Roma com amor, de Woody Allen

Imagem
Por Pedro Fernandes


Aí está um filme de Woody Allen, dentre os dois turísticos que já fez, desde quando deixou Nova Iorque pela Europa, Vicky Cristina BarcelonaMeia-noite em Paris que reafirma sua capacidade de reinvenção. Para Roma com amor é, antes de uma ode à cidade italiana, não se limita a um período específico da história em que a cidade veio tornar-se um dos encantos do velho continente. No filme anterior, ele escolhe o exato temporal dos anos 1920, período em que todos os intelectuais em estágio de frustração, como a personagem central do enredo, iam ter em Paris o lugar ideal para inspiração, período, portanto, que alavanca a fama da cidade luz. Talvez porque a cidade tenha mesmo tido apenas isso de significante e de lá pra cá não tenha dado satisfações ou garantias do epíteto que vende. Em Roma parece que tudo ainda pulsa e tem “mais história”. Não estamos mais diante de alguém “transportado” de um lugar para se fazer noutro, como em Meia-noite em Paris, mas sim de person…