Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2012

Recriar o "Eu", de Augusto dos Anjos

Imagem
"Li o Eu na adolescência e foi como se levasse um soco na cara. Jamais eu vira antes, engastadas em decassílabos, palavras estranhas como simbiose, mônada, metafisicismo, fenomênica, quimiotaxia, zooplasma, intracefálica... E elas funcionavam bem nos versos! Ao espanto sucedeu intensa curiosidade. Quis ler mais esse poeta diferente dos clássicos, dos românticos, dos parnasianos, dos simbolistas, de todos os poetas que eu conhecia. A leitura do Eu foi para mim uma aventura milionária. Enriqueceu minha noção de poesia. Vi como se pode fazer lirismo com dramaticidade permanente, que se grava para sempre na memória do leitor. Augusto de Anjos continua sendo o grande caso singular da poesia brasileira." O depoimento é de Carlos Drummond de Andrade para o livro de Augusto dos Anjos. Eu é obra singular na literatura brasileira. Não dispõe de um lugar próprio no nosso cânone literário. E isso é o que faz essa obra dispor pelo menos duas correntes de leitura: uma, que se espanta com…

Da arte da escrita para a da pintura

Imagem
José Saramago tem um romance intitulado Manual de pintura e caligrafia. Ao redor desse texto já se contaram algumas anedotas, uma até pelo próprio escritor português, quando disse ter tomado conhecimento de um professor de artes plásticas da África que não exitou em comprar uma leva significativa de livros para trabalhar junto com sua turma de pintura por se deixar levar de primeira pelo o que o título dizia. O mesmo já aconteceu, por exemplo, com O evangelho segundo Jesus Cristo. Alguém terá comprado o livro por acreditar que ali estivesse mais um evangelho perdido que fora só agora encontrado ou mesmo que ali estivesse um livro de autoajuda.

Mas, minha ideia de recuperar esse texto primeiro do Prêmio Nobel de Literatura é para recuperar o enredo ali presente: um pintor de quadros, um dos últimos da sua espécie decide se aventurar pelo trajeto da escrita. E, agora, quando acontece o contrário? Quando escritores famosos decidem trocar o lápis pelo pincel? Que resultado terá? O blog M…

Mais um evento sobre Jorge Amado

Imagem
Sabemos todos os da literatura que Jorge Amado está sendo discutido numa rede de eventos acadêmicos ao redor do mundo. Divulguei por aqui ainda no ano passado um colóquio que se realizaria em Paris; depois fiquei sabendo de eventos na Espanha, Portugal e na Inglaterra. E agora dei com essa iniciativa do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o Centro de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e o Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em parceria com o Museu do Neo-Realismo (Vila Franca de Xira),a Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus-Brasil) e a Academia Brasileira de Letras. 
Trata-se do Colóquio Internacional 100 anos de Jorge Amado. O evento ocorrerá em duas sessões, a primeira terá como tema: História, Literatura e Cultura, será realizada nas dependências da Universidade Estadual de Santa Cruz, no pe…

Bruno Schulz

Imagem
Pela primeira vez a obra completa de Bruno Schulz é traduzida e publicada no Brasil pelo professor Henryk Siewierski e pela Cosac Naify. Nos anos 1990, a Editora Imago já havia traduzido e publicado alguns contos, “Lojas de canela”, de 1934, e “Sanatório sob o signo de clepsidra”, de 1937. A edição de agora inclui mais quatro contos inéditos. O livro vem com ilustrações do próprio escritor, que é autor também de uma considerável obra do tipo, além de uma apresentação escrita pelo poeta e ensaísta Czeslaw Milosz (Prêmio Nobel de Literatura de 1980), um posfácio do tradutor com sugestões de leitura e trechos dos diários de Witold Gombrowicz, amigo de Bruno Schulz e que junto com ele e Stanislaw Witkiewicz, constituíram o grupo que ficou conhecido como “os três mosqueteiros” da prosa polonesa de vanguarda.

A obra que ora sai publicada não constitui nem metade daquilo que Schulz produziu em vida. Por exemplo, além dos desenhos divididos em pelo menos oito cadernos, há uma produção extens…

Casa Lena Gal

Imagem
Por Pedro Fernandes



O ato não poderia passar despercebido. Recebi a notificação em minha caixa de e-mails e divulgo por aqui com grande satisfação.

A artista plástica Lena Gal, de Fenais da Ajuda, concelho Ribeira Grande, Açores, Portugal, é, como se diz, uma artista de mão cheia; ela foi quem gentilmente cedeu um de seus trabalhos para a ilustração da capa de Retratos para a construção do feminino na prosa de José Saramago, meu livro que deve sair em breve. E só deixo aguçada a curiosidade: a arte desenvolvida pelo capista que preserva em sua integridade o trabalho de Lena ficou muito bacana, mas só devo postar por aqui noutra ocasião, mais oportuna.
A notificação que recebi de Lena é que agora, dia 30 de junho de 2012, pelas 19h30, ela abre uma exposição que inaugura a Casa Lena Gal, lá mesmo em Ribeira Grande. A casa, que abrirá junto ao Museu da Emigração abrigará um conjunto de trinta trabalhos oferecidos pela artista, além de uma exposição permanente com sua bibliografia, documento…

Os 60 anos de 10 dias de uma viagem que deu novos rumos à Literatura Brasileira

Imagem
Por Pedro Fernandes

Já até ensaiei por aqui os passos de curta leitura sobre literatura e viagem. Ambas têm uma proximidade bastante significativa. Não apenas se entendermos que todo livro é, por natureza uma viagem, mas se dermos conta de que muitos livros nasceram da experiência de uma. O caso mais expressivo, lembrarão uns, é do escritor Jack Kerouac que enquanto viaja pelo seu país, os Estados Unidos, ia dando forma à produção de seu romance mais famoso, On the road. Eu lembrarei aqui de José Saramago que contratado para escrever um guia de Portugal, escreve Viagem a Portugal. E não será exagero dizer que tenha sido o livro e a viagem empreendida para sua composição o roteiro para elaboração de suas primeiras obras: Levantado do chão, o livro que sai no ano do Viagem é resultado da sua estadia entre os camponeses do Alentejo, Memorial do convento de uma de suas idas a Mafra, passagens de O ano da morte de Ricardo Reis de sua ida a Fátima e seguem-se.
Agora em 2012, há uma dessas vi…

Uma nova adaptação para Anna Kariênina, de Tolstói

Imagem
Fora Lukács que leu Tolstói como o símbolo maior na arte de narrar talvez todos nós tenhamos nos sentido intrigantemente seduzidos pelo movimento das personagens no romance russo. Eu mesmo quando me pus a ler Crime e castigo, do Dostoiévski, senti como uma atração a ponto de no momento da leitura, confundir-me com os movimentos e obliterações psicológicas de Raskolnikov. A pergunta é: quem não terá assim se sentido um dia? Quem já se debruçou sobre Anna Kariênina, do Tolstói, também assim já se sentiu; tenho comigo depoimentos fidedignos de uma professora de literatura que tive. De modo que, não será demais afirmar que, enquanto você não ler os russos não terá lido grande coisa - é o que dizem alguns e dizem, sim, com razão. 
Em 1997, Bernard Rose assumiu a incubência e trouxe para as telas o romance de Tolstói, um dos grandes de sua produção - a perder-se somente para Guerra e Paz ou talvez por-se lado a lado. Já antes outros haviam feito: em 1935, a primeira adaptação para o cinema…

Nelson Rodrigues

Imagem
"Não sou pornográfico. Pelo contrário, me chamo de moralista. O único lugar onde o homem sofre e paga pelos pecados é em minhas peças." Assim se pronunciou Nelson Rodrigues. Mas, o epíteto de anjo pornográfico não se desfez e chegou mesmo a intitular uma biografia escrita em 1992 por Ruy Castro. Hoje, o escritor integra a galeria de um dos mais importantes dramaturgos que a literatura brasileira já produziu, se não for engano e exagero, o único. O drama da existência humana enxergado pelo prisma da morbidez foi o que mais explorou, o que mais o destaca nesse cenário e, talvez por isso, aquele que melhor viu a sociedade por aquilo que ela é: um bem moldado arcabouço que esconde atrás de si aquilo que realmente seus habitantes são.
No mês de agosto deste 2012 marca o primeiro centenário de Nelson que nasceu no Recife; ocupa ainda o lugar de um escritor por ser descoberto, uma vez que, muito tardiamente foi que se gestou um público que vê no seu trabalho uma riqueza artística …

"Ulisses", de Joyce ilustrado por Henri Matisse

Já que o assunto por aqui hoje é ilustração, anotem aí mais essa. O Bloomsday, o feriado literário mais importante do mundo, já passou, mas continua rendendo. Insuperável esse Joyce. Agora, vem a lume um conjunto de desenhos feitos por Henri Matisse em 1930. Pela época, George Macey, o editor americano do Ulisses ofereceu a quantia de cinco mil dólares para que o artista plástico francês criasse gravuras para uma edição especial ilustrada do clássico de Joyce. Como Matisse admitiu nunca ter lido o livro, compôs alguns temas, mas com base no poema épico de Homero, a Odisseia, poema, aliás, admitido pelo próprio Joyce lhe serviu de matéria para composição do seu Ulisses. Em 1935, uma edição ilustrada do livro do escritor irlandês era impressa. Matisse assinou 1 500 cópias, Joyce apenas 250. E agora uma cópia assinada pelos artistas está sendo vendida pela bagatela de trinta mil dólares. 
Artistas importantes ilustrando grandes obras sempre houveram. Quem não lembra do trabalho de Salva…

O rico trabalho de Matt Kish

Imagem
Não é tarefa das mais fáceis. Gustave Doré, por exemplo, que começou a desenhar ainda aos treze anos e aos catorze publicou uma edição para Os trabalhos de Hércules, levou pelo menos sete anos para compor o primeiro conjunto de  ilustrações para A divina comédia, de Dante. Deverá ter levado tempo maior ou igual para fazer o mesmo com a Bíblia ou com Dom Quixote, de Cervantes, dois outros livros tão portentosos quando o de Dante.


Já muito distante de Doré em tempo e técnicas - o francês usava o desenho a lápis e viveu entre 1832 e 1883 - Matt Kish, um sujeito que não é artista plástico e é de 1969, deu-se ao desafio de ilustrar página a págia do Moby Dick . E tudo por paixão pelo romance de Herman Melville. O trabalho levou dois anos e foi publicado em livro impresso. Mas quem não tem acesso pode ir ao blog do Matt que terá lá todos os trabalhos. Foi de lá que saiu, por exemplo, a imagem que ilustra a abertura deste post, uma das páginas. A cada nova composição ele publicava por lá. 

Eu nasci assim, eu cresci assim

Imagem
Não foi o primeiro romance de Jorge Amado, mas é talvez o mais conhecido entre os leitores. Na verdade, nem sempre os primeiros livros são os que fazem sucesso. Foi sim o primeiro livro escrito depois que o romancista deixou o Partido Comunista e é tido pela crítica com um texto que inaugura na sua obra uma nova fase. 
Não é mais o conteúdo político que se lê nos primeiros livros o que se encontra agora, mas temas voltados à formação racial brasileira, o universo dos jagunços, coroneis, prostitutas e trambiqueiros, todos ansiando progressos numa região que oferecem a eles esse sentido. Está no centro a sensualidade e o erotismo das personagens femininas, a folia, o sexo fácil. O espaço privilegiado para a trama não é mais o urbano de Salvador, mas a região de Ilhéus, que com o auge do cacau tem uma intensa vida noturna entre bares e cabarés. 
O romance, como uma crônica de costumes,  situa o leitor diante da pulsante vida social de outra Bahia, a dos anos 1920. Fora esses detalhes, a ob…

"Novas cartas portuguesas" 40 anos depois

Imagem
Nos finais da década de 1960, Eugénio de Andrade publicou em edição bilingue sob o título de Cartas portuguesas, versão para Lettres Portugaises, publicado anonimamente por Claude Barbin, em 1669, e apresentado também como uma tradução, cinco cartas de amor de Mariana Alcoforado a um oficial francês. A jovem era freira e estava enclausurada no convento de Beja.
Lisboa, 1971, Maria Isabel Barreno, já autora de Os outros legítimos superiores, Maria Teresa Horta, Minha senhora de mim, e Maria Velho Costa, Maina Mendes, decidiram escrever um livro a seis mãos. Como "espelho" as autoras tomaram a tradução de Eugénio de Andrade e escrevem Novas cartas portuguesas. As assinaturas das cartas nunca foram reveladas publicamente e a figura de Mariana tinha uma longa representação simbólica para o novo livro. Mulher abandonada, submissa, tomada por um discurso de paixão avassaladora, presa numa relação de amor e devoção, tudo, será mote para que agora as três Marias dê a lume suas Nov…

Pelos cem anos da poesia de Augusto dos Anjos

Imagem
Por Pedro Fernandes


A palavra para o poeta é material a ser instrumentalizado para a fundação de universos próprios – universos que correm ao lado do mundo comum, o enformam, conformam e deformam. Por isso, a palavra é sempre móvel e viva, ainda que pareça matéria inerte; inesgotável, ainda que pareça ter seu sentido cerrado num conceito em estado de dicionário; sempre livre, ainda que pareça matéria presa no papel.

No caso de Augusto dos Anjos, a palavra adquire mobilidade, vivacidade, inesgotabilidade e liberdade da condição de oralidade e obtém a encenação e um tom vocal muito próprio. Não há como ler Eu – livro-enigma que fecha um século neste 2012 – sem que tenhamos na nossa frente uma boca deslocada do corpo que enuncia e encena a beleza verborrágica da palavra, toda ela pulsante e refigurada nos seus versos.

Apropriar-se da leitura da poesia do paraibano é primeiro um exercício mental de reconstrução da unidade leitora. É necessário incorporar uma dicção nova. É necessário fora…

Memória de elefante, de António Lobo Antunes

Imagem
Por Pedro Fernandes

Memória de elefante é o primeiro romance escrito por António Lobo Antunes, em 1979, depois de voltar de uma permanência na Guerra Colonial na África, experiência que irá perpassar como material temático boa parte da sua obra. É o primeiro romance de uma trilogia que continua com Os cus de Judas e Conhecimento do inferno; os três, talvez se configurem como os mais importantes da sua carreira, não por razões estéticas, certamente, Lobo Antunes terá outros mais bem acabados romances (é um autor ainda por se conhecer), mas, estes dizem a que veio o médico meter-se com a escrita. Os três são sucessos de crítica e inauguram em Portugal uma visão nada romântica da desenhada entre os daquele país sobre o que foram os anos de ocupação portuguesa nos territórios africanos. Não que estejam esses romances reduzidos a esse propósito, mas é o tema um dos mais caros à ficção contemporânea que se forma no pós-74. 
O romance dá contas de um médico psiquiatra, que por ironia, não est…

Branca de Neve e o caçador, de Rupert Sanders

Imagem
Por Pedro Fernandes


É lógico que nunca haveria de passar pela cabeça dos irmãos Grimm, os que primeiro registraram o conto da tradição oral europeia do século XIX, que a história pudesse se manter tão atual e capaz ainda de duas ressignificações como as que recebeu neste ano. A de agora, infinitamente superior à anterior, que trouxe a rainha má sob a bela interpretação de Julia Roberts e que comentei aqui. Também é a versão superior às que foram feitas por exemplo pelo Walt Disney, que, méritos à parte, saiu adocicando tudo quanto foi narrativa vista pelos olhos inocentes da cultura pop. E que não nos esqueçamos que as narrativas coletadas pelos Grimm nunca tiveram esse tom desenhado depois.
O filme de Rupert Sanders parece não ter esquecido disso e conseguiu colocar na tela uma Branca de Neve com um tom muito próximo da violência psicológica do conto tradicional e conseguiu, sem fazer grandes violações ressignificá-lo para os tempos atuais; cito como mérito dessa atualização o espíri…

Mais uma página da novela Kafka

Imagem
Já havia comentado por aquisobre possíveis inéditos de Franz Kafka e da ideia não levada a cabo pelo amigo e editor Max Brod de queimar todos os textos do escritor não publicados tão logo ele morresse. Se a desobediência de Brod beneficiou a nós leitores porque o escritor quando morreu só havia deixado alguns contos e uma novela publicados e hoje conhecemos dele mais que isso, por outro lado, formou-se uma história digna do próprio escritor theco. Ironicamente, Kafka previa esse imbróglio? Talvez todo escritor saiba da briga que pode causar entre herdeiros por causa de uns papéis valiosos. Mas, vamos lá.
É que já entra para três anos que se descobriu os tais manuscritos de Kafka num apartamento em Tel Aviv. Eva Hoffe, no alto dos seus 70 anos e o estado de Israel se colocam num ringue pelos direitos aos papéis. O arquivo pode conter cartas, desenhos e, até manuscritos inéditos de Kafka, vigiado ao longo de muitos anos pelas mulheres da família Hoffe que até então têm se revezado na p…

Uma nova adaptação para "Os miseráveis", de Victor Hugo

Imagem
O clássico de Victor Hugo já teve sua adaptação para o cinema em 1998 e uma série de adaptações desde que em 1909, quando teve sua primeira edição dirigida por J. Stuart Blackton. Agora, para finais de 2012, nos Estados Unidos e início de 2013, no Brasil, Os miseráveis volta às telas. O longa está sendo dirigido por Tom Hooper, o mesmo de O discurso do rei, e teve divulgado, por esses dias, o seu trailer. 
A apresentação do livro de Hugo fecha um ano de ouro para o cinema. Não apenas porque relembra a altura os 150 anos de um clássico, como pela leitura inovadora proposta, já que, diferente de um filme comum, a versão de que se apresenta agora é um musical com o repertório integral ao de 1985, quando foi montado na Broadway. Também em 2012, o romance Anna Kariênina, de Tólstoi, outro clássico da literatura universal, terá uma versão experimental para o cinema.
No repertório do longa, além de canções conhecidas como "I dreamed a dream" e "Do you hear the people sing?&qu…