"Angústia", de Graciliano Ramos, por Antonio Candido



Frontispício da 2ª edição de Angústia, de Graciliano Ramos. A 1ª edição foi também publicada pela José Olympio Editora e quando o seu autor estava preso pelo Regime de Getúlio Vargas. Comparado a Crime e Castigo, de Dostóievski, o romance ganhou, em 2011, uma edição especial e um ciclo de debates em torno da obra.
Em outubro desse ano, Angústia, de Graciliano Ramos fechou o ciclo de 75 anos. A primeira edição foi lançada, portanto, em 1936, pela Editora José Olympio e é o terceiro romance do autor de Vidas secas. O ano e a obra são enigmáticos: primeiro, Graciliano estava preso pelo Regime Ditatorial de Getúlio Vargas e segundo, o romance deixa-se (inevitavelmente) se levar por esse ambiente, estando nele visível a situação do autor com esse contexto, situação que deve ter sido o de muitos brasileiros que sofreram perseguições pela Ditadura.

A data de 75 anos do romance não foi esquecida e o grupo editorial Record lançou uma edição especial do romance e levou pelo país um ciclo de conferências que percorreu cinco estados.

A edição comemorativa de Angústia é organizada pela neta do escritor Elizabeth Ramos e conta com posfácios de Otto Maria Carpeaux e Silviano Santigo, além de fortuna crítica e um texto de apresentação da própria Elizabeth. Já o ciclo de debates, iniciou-se ainda em setembro na Universidade de São Paulo com o professor Antonio Candido; depois foi para Brasília, Salvador , Maceió e Belo Horizonte. O encerramento do ciclo de conferências que se chamou de “Graciliano Ramos – 75 de Angústia” findou com uma exposição homônima no Saguão da Reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais.

O motivo de rememorar esses fatos é que agora a web disponibiliza a fala da primeira conferência dentro do ciclo de falas em homenagem ao romance de 1936. Abaixo:




Ligações a esta post:
>>> Nota sobre Graciliano Ramos publicada na coluna "Os escritores"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath