Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2011

Feliz Ano Novo

Imagem
É sabido de todos que Carlos Drummond de Andrade escreveu um poema que a essa época do ano costuma circular às pampas e que se chama "Receita de Ano Novo". O Letras in.verso e re.verso mesmo no cartão de Ano Novo de 2010 se utilizou de alguns versos. Esse ano, entretanto, quiz fazer algo que diferisse desse lugar-comum, mas sem perder o autor de A rosa do povo de vista.  É aí que me deparo com "Poemas de Dezembro", publicado na página do escritor mineiro no Projeto Releituras. Em 1963 Lázaro Barreto mandou para  o poeta um exemplar de seu livro Contos do Apocalipse Clube, já que estava dando seus primeiros passos no mundo das letras. Tocado pela situação de Barreto, que à época residia em uma pequena cidade mineira, Marilândia, Drummond, bem a seu estilo, lhe escreve comentando a obra e começa uma troca de correspondências com o iniciante que durou mais de 20 anos. Os dois jamais se encontraram pessoalment…

Feliz Ano Velho, de Thiago Tonussi

O ano de 2011 já finda. Mas não é 2012,  nem qualquer outro antes ou futuramente, um ano totalmente novo porque sabemos, dia 1º tudo continuará como antes. Pensando por este trajeto é que o poeta Thiago Tonussi, autor publicado na 1ª edição do caderno-revista 7faces, compõe, o poema "Feliz Ano Velho". Uma bela forma de saudar os leitores do periódico pela data que se aproxima.


Para ler o poeta e outros autores publicados na 1ª edição do caderno-revista 7faces, acessa aqui.

O silêncio da água, de José Saramago

Imagem
Por Pedro Fernandes


Como aquele A maior flor do mundo, que foi, inicialmente uma crônica e depois virou um conto infantil, organiza-se, agora O silêncio da água, um conto infantil oriundo de um fragmento do romance As pequenas memórias. Antecipo, entretanto, que essa caracterização de “infantil” ela é um tanto quanto discutível por natureza, mas mais ainda em José Saramago, que considera algumas separações um tanto quanto caducas e pensa nas crianças como sujeitos com capacidades tanto quanto de adultas para lerem sobre determinados assuntos e determinadas histórias em determinados formatos. E mais: que os adultos padecem de uma necessidade de ler tais histórias, para, lendo-as, possam se reencontrar com a criança que um dia foram e, nesse movimento, se redescobrirem, inclusive, enquanto adultos.
E O silêncio da água está aí como prova disso. Nasce de um romance em que o exercício da escrita – nesse caso, memorialístico – é o de uma volta à infância para reencontrar a pessoa que o escr…

Guerra e Paz, de Tolstói

Imagem
É sim um grande romance – em todos os sentidos. No tema, na forma e na dimensão do enredo, 2 536 páginas. É mais um objeto de desejo construído pela Cosac Naify e que chega ao Brasil em tradução direta do russo para o português. O trabalho conduzido pelo escritor/tradutor Rubens Figueiredo que levou três anos para realizá-lo.
Agora, fazer o design de um livro nessas dimensões é coisa para poucos. Em texto da responsável pela arte da Cosac Naify publicado no blog da editora o dificuldade foi fazer um livro desse porte se tornar um convite à leitura. A inspiração veio olhando para as edições de bíblias – que conseguem condensar suas páginas em grandes volumes compactos e flexíveis; a partir daí, asas à criação e o resultado foi um livro em papel espanhol, o bibloprint, um papel que tem  espessura, textura, cor e flexibilidades ideais para o procurado. 

Outro detalhe na obra são as suas ilustrações: os tomos são marcadas por trabalhos russo Serguei Adamovitch, feitas originalmente para uma…

José e Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes

Imagem
Por Pedro Fernandes


“Todos os tempos tiveram coisas boas; todos os tempos tiveram coisas más; mas como comunidade a espécie humana é um desastre. É um desastre. Então, é muito difícil dizer que todo o tempo passado foi melhor. Medo? Nada... Nada... Não... não... Não gosto nada, claro, evidentemente. E agora que, enfim, com a idade que tenho... Então, digamos, que já está claro que, que a porta de saída já está aí... Não, não tenho medo da... Medo, não. Há uma coisa de que, realmente, não gosto nada, que é quando se diz: Ah, estar vivo, morrer, e tudo isso... Para mim, a morte é... Não sei o que será depois... Ou, no momento em que estiver a morrer... como o entenderei... Mas, para mim, a morte, neste momento, é a diferença entre ter estado e já não estar. Isso é que... Isso, realmente, é o que me chateia muitíssimo...” É com este depoimento para uma emissora, que se abre o documentário José e Pilar – obra-prima, já me adianto, que põe o telespectador-leitor próximo do escritor, de sua …

Feliz Natal

Imagem
Porque tivesse mais tempo ou porque estivesse mais propício a agradar meus leitores e transeuntes, ano passado comecei ainda no dia 20 de dezembro a destribuir nos correios eletrônicos de meus contatos um cartão elaborado para essa época do ano. Este ano as coisas não sucederam no mesmo rumo e limitei-me a postar o tradicional cartão de Natal por aqui*. Os votos de Bom Natal não irá diferir, isso eu aposto.


* Para visualizar melhor basta clicar sobre a imagem; caso queira guardar como lembraça, depois de clicar sobre a imagem bastar salvar normalmente direto no seu computador.


Descobrir Pinóquio

Imagem
Amantes do livro-arte, a Cosac Naify lançou neste mês de dezembro uma obra digna de presente de fim de ano: Pinóquio. A proposta da editora em redescobrir a famosa história do boneco de madeira, vem numa caprichada edição de 3 500 exemplares impresso em papel importado GardaPat Kiara, capa dura e impressão em hot stamping. Nessas horas correr é necessário.

A tradução do famoso texto ficou a cabo de Ivo Barroso, que manteve o mesmo ritmo de folhetim associado a uma linguagem refinada e límpida do original de quando o livro foi inicialmente publicado – sob o formato de folheto para jornal. Na luxuosa edição o leitor ainda se depara com um texto inédito no Brasil do escritor Italo Calvino em que comenta sobre o clássico.
Pinóquio é uma rica metáfora acerca do rito de passagem da infância para a adolescência. Como texto metafórico que o é, Ivo Barroso preserva o tom irônico e jogo linguístico construído por Carlo Collodi. Para o tradutor, o contato com a obra original foi uma redescoberta d…

Almada Negreiros

Imagem
“A vocação de Almada foi a de dizer-se, de afirmar-se, de passar a vida a ser-se Almada.”" Eduardo Lourenço
Este é um poeta que a crítica o tem como a figura mais polêmica do Modernismo português e assim o foi nas mais diferentes manifestações artísticas em que esteve metido – romance, teatro, artes plásticas. Mas, na definição de Carlos Queirós “em tudo, e sobretudo, poeta. Ele próprio, humanamente, poeta”. Sua inquietude ou rebeldia não são gratuitas.

Almada, além do olhar aguçado do poeta forma-se poeta de um tempo também de inquietude e de rebeldia. Marca-se como o artista que via na arte o espaço – não apenas para as transgressões estéticas – mas para “estetização” de questões sociais mais complexas. Álvaro Cardoso Gomes o lê como ilha – “Eu tenho visto olhos!/ Mas nenhuns que me vissem/ nenhuns para quem eu fosse/ um achado existir/ para quem eu lhes acertasse lá/ na ideia/ olhos como agulhas de/ despertar/ como íman de atrair-me vivo/ olhos para mim!” – num mundo regido p…

Ensino, pesquisa e formação de professores de Língua Portuguesa e de Literatura

Imagem
Por Pedro Fernandes


Em agosto de 2010, o Campus Avançado Professora Maria Elisa de Albuquerque Maia, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, em Pau dos  Ferros, sediava a sétima edição do Colóquio Nacional de Professores de Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e de Literatura. Na pauta muitas discussões acerca do atual estágio do ensino dessas duas disciplinas no âmbito da graduação e da educação básica. 

No calor das discussões que deram forma aos três dia do evento pensei em, depois daí, sistematizar essas discussões num suporte capaz de ser acessível por uma grande público - seja aquele que estando numa determinada roda de trabalhos não poderia está em outra, seja aquele que não teve contato com esses debates. É daí, pois, que nasce a ideia de organização de um livro eletrônico. O suporte ainda inovador atenderia essa demanda. Aprovada a ideia por parte das Edições UERN, editora que se dispôs a publicar o material - que no catálogo dessa instituição é mais que inovado…

O novo livro de Marize Castro

Imagem
Habitar teu nome publicado pela Una Editora é a surpresa do fim de 2011. Marize Castro, depois de dois anos, lança seu novo título. Abaixo um recorte do novo livro.
Poema haverá?

haverá homem que não seja colina?
mulher que não seja nuvem?
criança que não seja milagre?
... o que o naufrágio fez com eles?
... deu-lhes fogo para ficarem belos?
asas para romperem céus?
barbatanas para voos oblíquos?
eu que ainda moro ao lado do mar
e me perfumo para abrir livros
deito entre aves e oro:
que a onda do amor
não adoeça
nenhum caminhante
encontre laços
nenhum rio
estacione.
O poema foi publicado inicialmente no site do jornal Tribuna do norte. Lá também é possível ler um texto sobre o novo livro de Marize escrito por Yuno Silva.

Hora de Clarice II

Pela data, reproduzo aqui um conto da autora de Perto do coração selvagem publicado no Portal Releituras. O material é um mimo aos leitores e forma de marcar o 91º aniversário de Clarice Lispector celebrado hoje, 10 de dezembro, em vários recantos do Brasil. Acompanha o material a reprodução de uma fotografia da Clarice jovem publicada pela edição dos Cadernos de Literatura Brasileira, do Instituto Moreira Salles.





Hora de Clarice

Imagem
Num ano em que o Instituto Moreira Salles deu pulsão ao Dia D para o celebrar o poeta Carlos Drummond de Andrade, a atual editora que detém os direitos autorais da obra de Clarice Lispector espelha-se no bom exemplo e dá vazão a uma programação não aquém da do IMS para a escritora brasileira. Batizado de "Hora de Clarice" o evento vem reforçar aquilo que já sabemos: Clarice é moda e já figura no panteão da memória comum dos brasileiros, afinal, e isso eu comentava outro dia na minha página do Facebook, ela, juntamente com Oscar Wilde e Fernando Pessoa são os escritores de quem mais fabricam frases feitas, umas realmente ditas por eles, mas outras mais inventadas pelo bestiário popular.
"Hora de Clarice" se realiza amanhã, dia 10 de dezembro, data em que a autora de A paixão segundo G. H. faria, se viva fosse, 91 anos. O evento congrega leitores, fãs e admiradores de Clarice nos vários centros do país. E em todos eles haverá alguma programação. 
No Rio de Janeiro é…

Elisa Lispector, Retratos antigos

Imagem
Na semana em que se celebra o aniversário de Clarice Lispector a Ilustríssima, caderno de cultura da Folha de São Paulo, revirou a memória da família para reencontrar com uma irmã da autora de A hora da estrela também escritora, Elisa Lispector. Não será por razões de fazer justiça a uma memória na sombra. E talvez seja mesmo. Mas é que agora a Editora da UFMG publica sob organização da professora Nádia Gotlib um texto da Elisa, Retratos antigos, acompanhado de dois cadernos de fotos, na maioria inéditas, que dão contas da família Lispector, no início do século XX.
Retratos antigos é um texto autobiográfico e foi escrito por Elisa para a dar contas do passado familiar a uma sobrinha depois de crescida. Segundo matéria da Ilustríssima a história é contada a partir das fotografias de um álbum de família trazido da Rússia como uma lembrança dos tempos em que os Lispector ainda resistiam aos ataques contra judeus e outras minorias comuns naquele país.
O texto não é de um todo inédito uma ve…

Emily Dickinson - A branca voz da solidão

Imagem
por José Lira *



Emily Elizabeth Dickinson (1830-1886) nasceu, viveu e morreu em Amherst, pequena cidade perto de Boston, Massachusetts, nos Estados Unidos. Veio ao mundo no seio de uma família cujo patriarca era advogado e político influente. Excetuadas breves ausências, como os dois anos em que frequentou um internato para moças, em uma cidade próxima, morou a vida inteira numa mansão na rua principal de Amherst, hoje um museu em sua memória. Viveu, depois de adulta, em completa reclusão, tendo passado cerca de 25 anos sem sair de casa e evitando até mesmo ser vista pelas visitas. Não foi sequer ao enterro dos pais. Vestia-se de branco e tinha sempre à mão um buquê de flores. O único contato que mantinha com o mundo exterior eram as cartas que trocava com um grande número de amigos e familiares, às quais gostava de juntar os seus poemas. Morreu solteira, mas há quem ache que teve alguns amores fracassados, um dos quais poderia ter sido a causa de sua voluntária solidão. Entre esses a…

Lúcio Cardoso

Imagem
"Escrevo para que me escutem — quem? Um ouvido anônimo e amigo perdido na distância do tempo e das idades. Para que me escutem se morrer agora. E depois, é inútil procurar razões. Sou feito com estes braços, estas mãos, estes olhos e assim sendo, todo cheio de vozes que só sabem se exprimir através das vias brancas do papel, só consigo vislumbrar a minha realidade através da informe projeção deste mundo confuso que me habita. E também porque escrevo porque me sinto sozinho. Se tudo isto não basta para justificar porque escrevo. o que basta então para justificar alguma coisa na vida? Prefiro as minhas pequenas às grandes razões, pois estas últimas quase sempre apenas justificam mistificações insustentáveis frente a um exame mais detalhado".
(Lúcio Cardoso)¹


Todos os anos certamente têm seus nomes importantes para serem celebrados. E se Carlos Drummond de Andrade e Jorge Amado são os autores dos mais conhecidos a compor a cara de 2012, outro nome não pode deixar de integrar esse…

As cartas do amor insondável entre Kafka e Felice

Imagem
Em 16 de junho de 1913, Franz Kafka confessou a Felice Bauer que não era grande coisa. “A verdade e que não sou nada, nada do que se diz”, lhe escreveu. Imediatamente depois lhe explicava que não conhecia nada tão desastroso nas relações humanas como ele, e que tinha a impressão de que “não havia vivido nada”. E a isso dizia: a) que era incapaz de pensar e b) que tampouco sabia escrever, “nem sequer nada”. Pouco antes, depois de informar que estava doente, havia perguntado: “Quererás refletir (...) e chegar a uma conclusão a respeito se queres ser minha mulher?”
Tudo está em Cartas a Felice, um título que reúne a correspondência entre Kafka e sua sempre namorada – a sempre insondável e enigmática relação entre um escritor sempre atormentado com a escrita e uma mulher um tanto compreensiva (ou apaixonada demais?) com tudo isso. “Eu perderia minha solidão, que em sua maior parte é horrível, e te ganharia, a quem amo mais que nenhum outro ser”, confessar-se-ia o  próprio Kafka ainda mesma…