Doze livros que revolucionaram a poesia


Na história das formas literárias, o gênero lírico é o que menos apresentou variações; talvez a sua mais radical apresentação tenha sido aquela que no Brasil se iniciou com o movimento concretista – um desejo de construir uma estrutura objetiva, básica, densa, capaz de fundir em alta temperatura de linguagem, o signo, o significante e o significado. Depois disso, as variantes combinam elementos da linguagem artificial dos computadores e outras intervenções eletrônicas, tornando o material poético num misto de criação e performance realizáveis num só tempo e de maneira única mas capaz de se tornar noutras naturezas expressivas.

A lista de obras a seguir está longe de ser definitiva, mas com certeza reúne títulos que, desde sua publicação ou descoberta transformaram o fazer poético de maneira a marcar um antes e um depois dele ou ainda por terem sido feitos centros a partir do qual irradia – seja temática, formal e estruturalmente – uma geração diversa de criações. Não é, como todas as listas apresentadas neste blog, um ranking e, como toda sequência do tipo, está sempre fadada a não corresponder à compreensão ou mesmo aos gostos de todos os leitores. É, entretanto, uma boa introdução ao universo da criação literária cuja força reside no trabalho da criação.



- Sonetos, de William Shakespeare
O dramaturgo inglês não foi apenas o autor de algumas das peças mais significativas da literatura de todos os tempos. O conjunto de 154 sonetos publicado em 1609 surpreendem pela riqueza, diversidade temática e o rico diálogo que constrói com sua obra teatral – muitos dos poemas são uma clara percepção das visões de suas personagens trágicas. Os desejos e amores de um jovem rapaz, a efemeridade da vida, os perigos, os desejos, o amor, a frustração amorosa, a beleza, a passagem do tempo – tudo isso e mais o leitor atento encontra nessa obra.   

- Paraíso perdido, de John Milton
Seu autor foi um dos maiores intelectuais de seu tempo; apoiador da Revolução Puritana Inglesa que depôs e matou o rei Carlos I e proclamou a República em 1649. Paraíso perdido é uma das obras maiores do século XVII. Foi publicada em 1667 com dez cantos; em 1674, o escritor fez uma revisão e ampliou o texto para doze cantos. Integra a tradição épica a qual pertence obras como a Ilíada e a Odisseia, de Homero, a Eneida, de Virgilio e a Divina comédia, de Dante. O texto foi escrito durante quando Milton estava na desgraça logo depois da restauração da Monarquia em 1660. Inspirado no Gênesis, o poema narra a rebelião de Satã contra Deus, a criação do mundo e a queda do homem pela desobediência de Adão e Eva no jardim do Éden.

- Don Juan, de Lord Byron
O poema é uma subversão do mito de Don Juan. Aqui, Byron trata de descrever a personagem principal não como um conquistador cruel e insaciável mas um homem facilmente seduzido pelos mulheres; a subversão é, na verdade, uma recuperação das interpretações anteriores do mito tal como apresentada por Molina, Molière ou Mozart. Organizado primeiramente em doze cantos – depois em dezesseis e o incompleto décimo sétimo que escrevia quando morreu em 1824 – Don Juan é sátira brilhante e uma obra-prima da literatura universal.

- Fausto, de Goethe
A criação desse poema ocupou toda a vida de Goethe: a primeira versão foi composta em 1775; depois foi composta a segunda versão em 1791 e, finalmente, em 1808, a obra foi publicada. Mais tarde, em 1826, o alemão começou a redigir a segunda parte que só veio a lume depois da morte do escritor, em 1832. Trata-se de um poema trágico e foi redigido como uma peça de teatro com diálogos rimados; desde sua publicação foi considerado uma das obras-primas da literatura alemã e depois o último grande poema dos tempos modernos. Para Thomas Mann este é um livro “incomensurável” que “abrange em seu interior três mil anos de história humana”.



- Eugene Oneguin, de Alexander Pushkin
Considerado caso único entre os clássicos da literatura moderna; um romance escrito em versos mas sem quaisquer matérias dos épicos anteriores. O tecido do poema é o desencontro amoroso com fortes elementos do romantismo. Oneguin é um dândi – cuja inspiração teria sido a do poeta inglês Lord Byron – que se divide entre o spleen e o tédio de quem viveu a intensidade a ponto de perceber seu vazio, até quando conhece o poeta Vladimir Lenski e as irmãs Olga – prometida de Lenski e Tatiana Lárin, que se apaixona por Oneguin e escreve uma declaração que ele rejeita. A marca do livro é a forma: composto por sonetos sem divisão de quartetos e tercetos.

- Folhas de relva, de Walt Whitman
Este livro ocupa o lugar de fundador da poesia moderna estadunidense. Quando publicado, a obra foi ignorada e ridicularizada pela crítica; tardiamente foi reconhecido como um trabalho de extrema valia, seja pelo caráter experimental do verso, seja pela maneira como o poeta trata, sem restrições, de questões sobre a sexualidade e a religiosidade destituída dos dogmas. Ao todo, foram sete edições que acompanham a diversidade de temas recorrentes no dia-a-dia dos estadunidenses. Durante quarenta anos Whitman burilou a forma e maneira de registrar poeticamente sentimentos, opiniões e acontecimentos sociais pela poesia.



- Poemas, de Emily Dickinson
Falta à biblioteca de poesia brasileira um título que reúna integralmente a obra poética de estadunidense. Mas, há algumas antologias que servem ao leitor como uma importante introdução; eis alguns exemplos: Uma centena de poemas (T. A. Queiroz, 1985); Não sou ninguém (Editora da Unicamp, 2008); Emily Dickinson. A branca voz da solidão (Iluminuras, 2011). Vale lembrar que no total são cerca de 1750 poemas que vieram a lume depois da morte de Emily – quase todos emulações de seu cotidiano recluso e com forte traço modernista seja quanto à construção do verso, seja sobre os temas tratados.

- Poesia completa, de Arthur Rimbaud
Diferentemente de Emily Dickinson, há quase uma década temos o privilégio de uma edição com poesia integral de Rimbaud. O bardo de Charleville foi precoce; esnobe da poesia de salão e da repetição técnica no fabrico do poema, muito jovem, numa condição muito alheia a tudo, compôs uma obra singular recebida primeiro com recusa – mais pela posição avant-garde de seu comportamento que pela posição crítica sobre seu trabalho – e logo querida pelos seus sucessores e tornada em modelo para a composição do que até agora se revela audaciosamente como revolução criativa. A edição brasileira é produto do acurado trabalho de mais de trinta anos do poeta Ivo Barroso.

- As flores do mal, de Charles Baudelaire
Depois de Rimbaud, Baudelaire terá sido outro poeta marcante na história da poesia. Nesse livro, publicado em 1857 e logo censurado, tudo é criteriosamente bem elaborado, dado ao exercício repetitivo do poeta em lapidar até o mínimo detalhe sua poesia; estão aí maneiras totalmente autênticas de tratar de temas como a expulsão do paraíso, a queda do homem, a morte, o amor, o exílio, o tédio, a decadência, o erotismo... Baudelaire compôs com As flores do mal o que disse Paul Valéry: um livro que não contém poemas, nem lendas, nem nada que tenha a ver com uma forma narrativa; não há nele sequer um discurso filosófico, nem política; é um livro, diz Baudelaire, que reúne todo pensamento do poeta, todo o coração, toda religião, todo o ódio.

- A terra desolada, de T. S. Eliot
O autor deste título é, sem dúvidas, um dos maiores e mais influentes poetas e críticos modernos; o livro reúne trabalhos que marcam sua estreia poética dada em 1915 na revista Poetry, de Chicago, e outros poemas reunidos para o que foi seu primeiro livro. Foi publicado em 1971 e logo o poema que dá nome à antologia tornou-se um dos mais importantes textos da poesia modernista. A permanência no exercício bem elaborado do poema marcada por outras importantes obras como Quatro quartetos, publicados de 1934 a 1942, reafirmam o valor inestimável da poesia de Eliot para o trabalho literário de poetas de toda parte do mundo.



- Os cantos, de Ezra Pound
Este talvez seja o último maior dos empreendimentos literários da história literária. O longo poema de cerca de cinco mil versos é o que a crítica costumeiramente chama de um épico sem enredo, não estruturado sobre uma sequência lógica e cronológica mas parte de associações, leituras, recordações e marcado por uma linguagem ágil e multifacetada. O trabalho de Pound com esse projeto de toda uma vida (e ainda terá ficado incompleto) foi tornar um único poema os 120 cantos ao modo da antiga poesia épica.

- Uivo, Kaddish e outros poemas, de Allen Ginsberg
Publicado no outono de 1956, o longo e profético poema foi censurado pela polícia estadunidense acusado de se tratar de uma obra obscena. Tornado Best-Seller, a obra logo passou a ser uma fonte indispensável para todos aqueles cujo interesse seja o de penetrar nos estágios de iluminação atravessados por um poeta. A obra não apenas uma marca do Movimento Beat, é uma reinvenção do poema agora invadido pelo acorde rítmico do jazz, pela espontaneidade e pela incursão denunciativa sobre uma geração e uma cultura cuja forma adquiriu ars de ameaça à sobrevivência do homem e do planeta.


Comentários

Anônimo disse…
É pena não ver nenhum livro de um autor da língua portuguesa nessa lista. Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, Herberto Hélder?

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

16 + 2 romances de formação que devemos ler

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Milena Jesenská, muito além de namoradinha de Franz Kafka

Boletim Letras 360º #221

Cem anos de solidão cumpriu a profecia de Melquíades

Um romance com treze títulos

Como enfrentar Ulysses

J. R. R. Tolkien, o mito desconstruído

O homem sem doença, de Arnon Grunberg