quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Outras trilhas para o Dom Quixote




Depois de anunciar recentemente uma parceria com a plataforma do Youtube para a leitura na íntegra do romance de Miguel de Cervantes, a novidade agora é que a primeira edição das aventuras do engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha está disponível na rede em formato interativo. A ideia é da Biblioteca Nacional da Espanha. O projeto apresenta na web uma versão digitalizada dos exemplares de 1605 e de 1615, que a instituição conserva em seu acervo.

O projeto, que foi denominado de Quixote interativo, permite uma nova aproximação a obra de Miguel de Cervantes, considerada uma dos maiores romances publicados em língua espanhola. Além da possibilidade de folhear as páginas digitais do livro ambientadas com música de fundo, a plataforma oferece também uma série de conteúdos que ajudam a contextualizar a leitura.

Entre os complementos que contém o site está um mapa com as aventuras do Quixote e uma galeria com ilustrações dos personagens da obra, assim como de alguns de seus momentos mais emblemáticos. Igualmente, está disponível uma página para os livros de cabeceira, onde se é possível o exame das relações do texto de Cervantes com outros textos de cavalaria. Como é sabido Cervantes compõe o Dom Quixote numa época em que Espanha e Europa estava saturada das novelas de cavalaria. O livro que, ironicamente é também uma novela de cavalaria, estabelece ao longo do texto uma leva de diálogos com outros textos dessa época.

Segundo dados da Biblioteca Nacional, a iniciativa reúne material proveniente de 43 edições distintas que inclui 1.282 páginas - as duas partes da obra -, 165 ilustrações e mapas, 37 notas explicativas, 21 obras relacionadas e 13 faixas de música. O acesso a toda esta leva de informações é facilitado por uma leva também de funcionalidades como zoom de alta qualidade, sistema de busca sobre o texto e várias opções de impressão.

Ligações a esta post:
>>> Para ter acesso a ideia, clica aqui.
>>> Para ler sobre Dom Quixote no Youtube, vá aqui.

* Via jornal El País.