Postagens

Mostrando postagens de Abril 6, 2010

Ilha do medo, de Martin Scorsese

Imagem
Por Pedro Fernandes

É, sem dúvidas, o melhor filme até agora depois daquele boom visual (apenas visual) de James Cameron – falo de Avatar, evidente. E vem recobrar que, fazer bom cinema hoje, ainda é possível, mesmo sem o uso exagerado de efeitos visuais. 
Algumas pequenas falhas quando no trato de certas questões – como o nazismo e o holocausto, mas não me pareceram temas pelos quais Scorsese viesse se guiar para explorar neste filme. Tanto que, a meu ver, a única redução coerente que faria de Ilha do medo se chamaria por um adjetivo: impecável.
O que Scorsese parece por a prova ao fazer uma história que é puro devaneio psicológico – e até nisso não há novidade; o cinema mesmo já deu provas de uso dessa técnica, desde as situações mais simples, como a de induzir o telespectador a crer desconfiando da história narrada, à construção da chamada narrativa em níveis como neste Ilha do medo; o que o diretor, dizia, parece por a prova é a dúvida entre a existência do eu unidade e do eu múl…