Postagens

Mostrando postagens de Setembro 12, 2008

Joseph Roth

Imagem
Um dia de maio de 1939, um homem agonizava no Hospital Necker de Paris consumido pelo álcool e desaparecendo num delírio. Veio-lhe a morte; foi enterrado no cemitério de Thiais numa pequena cerimonia assistida por judeus e católicos, comunistas e não-comunistas, republicanos e monárquicos. Em sua lápide ficou registrado sua procedência e sua profissão: “Escritor austríaco morto em Paris”. Aquele homem se chamava Joseph Roth e foi um dos nomes mais importantes de seu país no século XX.  
Pouco antes de morrer havia terminado de escrever um romance curto a que deu o título de A lenda do santo bebedor. Nela escreveu “Deus dê a todos nós, os bebedores, tão leviana e bonita morte”. Uma morte de absinto e embriaguez. Noutro de seus romances mais celebres, Marcha de Radetzky, definiu melhor que ninguém a necessidade de álcool àqueles que “bebem com sede de alma, que é a sede do bebedor”.
Joseph Roth foi o escritor dos exilados. Nasceu em 2 de setembro de 1894 em Brody, um povoado situado h…