Postagens

José Américo de Almeida: literatura se faz também com engajamento

Imagem
Aconteceu com a literatura brasileira um fenômeno que terá se manifestado em grande parte das literaturas ao redor do mundo. Trata-se da integração no material literário de elementos concernentes à realidade histórico-social do país. No nosso caso, tal interesse remonta ainda ao período quando os intelectuais, filhos do país, insistiam em demonstrarem-se capazes de produzir uma literatura à maneira da produzida pelos europeus. A isto que Antonio Candido chamou de literatura empenhada cujos ecos são escutados no interior de projetos como os oferecidos pela cena modernista, e que visam estabelecer uma compreensão acerca de nossa identidade e do nosso sentido enquanto nação culturalmente livre, é possível acrescentar o que ficou conhecido por literatura engajada.
Isto é, apesar de contextos e situações bastante distintas, cada uma delas guardou uma preocupação: revelar o Brasil, reconhecê-lo em sua pluralidade e discrepância. A partir dos anos 1930, por exemplo, destacou-se um dos movi…

Boletim Letras 360º #219

Imagem
Aproveitamos a ocasião em que falaremos sobre a reedição de dois novos títulos da obra de Lima Barreto para dizer que estamos com chamada aberta para a recepção de textos sobre o escritor e sua literatura. Os interessados devem fazer sua proposta até o dia 31 de maio. Leia mais aqui. E, ainda estão abertas as inscrições para concorrer a um exemplar de Contos reunidos, de Dostoiévski. O sorteio acontecerá quando confirmarmos a 200ª inscrição. Para participar da brincadeira basta pedir entrada no Grupo do Letras in.verso e re.verso no Facebook. Outros bons motivos de fazer parte deste espaço é poder melhor interagir com leitores de várias partes do globo e ficar por dentro das publicações do blog sempre em primeira-mão.


Segunda-feira, 15/03
>>> Brasil: O mais recente romance de Haruki Murakami sairá por aqui em 2018
A edição de Killing Commendatore sairá, como na original, em dois volumes. O interesse da Alfaguara Brasil é publicar o primeiro ainda em dezembro do próximo ano, q…

A violência como produto humano

Imagem
Por Rafael Kafka



Muito tem me interessado o a análise de questões ligadas à violência dentro do cinema e das séries que acompanho. Demorei a entender o porquê, mas a justificativa está fortemente ligada ao meu modo existencial de analisar obras de arte narrativas. Cada vez mais a violência se revela para mim um fenômeno claramente humano que deve ser entendido como mais uma das manifestações do ser e não ser tratada como um elemento monstruoso dentro das frinchas do ser iluminado que imaginamos ser a essência do comportamento humano.
Nos noticiários, cada vez mais é comum essa lógica da violência como monstruosidade. Antes que alguém me entenda mal, o que quero dizer é que a brutalidade da violência é algo produzido por pessoas contra pessoas. A violência é uma forma de afetividade, ligada profundamente às intencionalidades e condicionantes do modo de ser deste ou daquele indivíduo. Assim sendo, o discurso dos jornalistas sensacionalistas que visam a colocar o ser produtor de violênci…

Café Society, de Woody Allen

Imagem
Por Maria Vaz


Woody Allen pertence a um grupo de realizadores que, normalmente, ou se ama ou se detesta. Incita o extremo. Pessoalmente, gosto dele. Os seus filmes fazem deambular pela intensidade das complicações da psique humana, das paixões, dos crimes, o tabu, os triângulos amorosos, vidas paralelas, questões sexuais, escolhas complexas. Desde o triângulo amoroso em Manhattan (1979) ao quadrado amoroso em Vicky Cristina Barcelona(2008), passando pela relação paralela em Match Point (2005), pela paixão do passado em contraponto com a do presente em Meia-noite em Paris (2011), ou pela busca de um novo ‘eu’, numa realidade circunstancial que se rejeita, em Blue Jasmine (2013). Woody Allen tem a capacidade fascinante de penetrar na compreensão das mais complexas emoções que, tantas vezes, movem o comportamento humano, de uma forma simples, natural e subliminar. Nessa linha, outra coisa não seria de esperar deste Café Society (2016).
Uma vez mais, de forma bem conseguida – na aparente s…

O museu do silêncio, de Yoko Ogawa

Imagem
Por Pedro Fernandes


É curioso observar como sempre a literatura japonesa é reduzida ao lugar de estranha na opinião de grande parte da crítica brasileira. O termo não ficou esquecido quando em 2016 se publicou no Brasil o primeiro livro de Yoko Ogawa, O museu do silêncio. E apesar de não relevante, este texto retoma o lugar-comum a fim de investigar, embora a resposta se mostre antecipadamente em tom de suspeita, pelo menos uma razão para esse registro enquanto apresenta algumas notas sobre este romance.
Situados numa aldeia do interior do Japão, os acontecimentos recobrados pela narrativa estão articulados em dois eixos principais – sendo um deles, o motivador, sobressalente: trata-se da construção de um museu proposto por uma velha senhora de posses do lugar a fim de reunir um conjunto diferente de objetos. Trata-se de um museu com coisas recolhidas durante parte significativa da vida dessa velha e não tem relação com suas memórias afetivas nem com o ideal de perpetuação de sua ger…

Henry David Thoreau: o libertário para uma vida sublime

Imagem
McAllister, o diretor da Welton Academy, prestigiada instituição educativa de Vermont, Estados Unidos, olha com certa condescendência o professor de Literatura John Keating, cujos métodos fora dos trilhos são-lhe um quebra-cabeça. “Mostre-me um coração não afetado por sonhos tolos e mostrarei um homem feliz”, diz. E Keating responde: “Só no sonho temos liberdade. Sempre foi assim e sempre será”. E McAllister: “Tennyson?” E Keating: “Não. Keating”.
A cena é uma das mais lembradas de Sociedade dos poetas mortos, o filme de Peter Weir que agitou as mentes dos jovens (e não tão jovens) em finais da década de 1980. Espectadores que, em sua maioria, desconheciam a conexão entre Thoreau, Walt Whitman, Jonh Muir, Robert Frost... e John Keating.
A personagem interpretada por Robin Williams não tem Lord Tennyson, o poeta inglês do pós-romantismo, como sua chave de salvação. Por isso surpreende o severo McAllister e, sobretudo, seus alunos, que experimentam uma epifania ao longo do curso. “Tho…